Pesquisar este blog

terça-feira, 14 de março de 2017

O diabo veste Prada

The light hadn't even turn green at the intersection of 17th and Broadway before an army of overconfident yellow cabs roared past the tiny deathtrap I was attempting to navigate around the city streets. Clutch, gas, shift (neutral to first? Or first to second?), release clutch, I repeated over and over in my head, the mantra offering little comfort and even less direction amid the screeching midday traffic. The little car bucked wildly twice before it lurched forward through the intersection. My heart flip-flopped in my chest. Without warning, the lurching evened out and I began to pick up speed. Lots of speed. I glanced down to confirm visually that I was only in second gear, but the rear end of the cab loomed so large in the windshield that I could do nothing but jam my foot on the brake pedal so hard that my heel snapped off. Shit! Another pair of seven-hundred-dollar shoes sacrificed to my complete and utter lack of grace under pressure: this clocked in as my third such breakage this month. It was almost a relief when the car stalled (I'd obviously forgotten to press the clutch when attemting to brake for my life).

SPOILER FREE

E chegamos no tema do Desafio Literário de março! Livros que tiveram alguma adaptação. Sei que na minha lista eu havia planejado outros livros, mas eu estava com vontade de ler algo mais leve e lembrei de "O diabo veste Prada", afinal como esquecer Meryl Streep?

E ao ler a obra original me deparei com um caso raríssimo em que o filme é melhor do que o livro. Fator Meryl Streep à parte (mas que, claro, contribui muito), o maior problema para mim está na narradora/personagem principal. É uma das protagonistas mais chatas que já vi, chata e imatura. A moça é tão sem noção que tive até simpatia pela Miranda Priestly, deve ser terrível você ter uma assistente que detesta o próprio trabalho e o local onde trabalha e o produto gerado pelo próprio trabalho.

A Andrea é tão antipática que ela só consegue fazer uma amizade na tal revista Runaway. Uma. E é por escolha, porque ela passa o livro inteiro menosprezando ou julgando todos os seus colegas de trabalho e depois não entende porque ninguém quis manter contato. Digamos que ela não é um bom exemplo de networking.

É o tipo de livro em que você passa a leitura inteira tendo uma aula sobre o que evitar na vida e como não se comportar nessas situações. Nem o relacionamento amoroso se safa. O namorado da Andrea é outro chato, metido a superior, que acha que está sempre certo e fica querendo dar lição nos outros. Acho que na verdade nenhum personagem nessa história se safa. São todos chatos.

Se a qualidade da escrita fosse memorável talvez o livro como um todo fosse interessante. Mas não é o caso.

E eu ainda descobri que o livro tem uma continuação, o que eu nem imaginava. E, não, não pretendo nem chegar perto para ler.

Nota 3.

domingo, 5 de março de 2017

A Viagem Iniciática


   Este livro é um depoimento sobre uma iniciação vivida nos dias de hoje no Ocidente e sobre o caminho que conduz a uma sabedoria, a uma plenitude, a uma harmonia que todos buscamos em nós mesmos e à nossa volta.
   Num bonito e frio dia de inverno, tive a sorte de encontrar um Mestre de Obras do século XX, um desses homens que continuam a transmitir um ritual e os valores iniciáticos.
  Quando esse homem de estatura média, ombros largos e cabelos prateados se aproximou de mim, compreendi que a minha vida iria se transformar. Eu contemplava, havia mais de uma hora, uma série de esculturas gravadas num dos pórticos da catedral de Metz, convencido de que a busca que me levara até aquele loca não havia sido em vão. As imagens representadas na pedra eram um relato extraordinário, oferecido aos olhos de todos. Contudo, ninguém tivera a ideia de lê-lo e eu mesmo estava perplexo.

SPOILER FREE

Mais um livro do Carnaval! Fazia muito tempo que eu não lia nada do Christian Jacq, um escritor francês que também é egiptólogo. Normalmente eu leio os seus romances históricos faraônicos, que são deliciosos, mas esse eu encontrei certo dia numa livraria (que não me lembro mais qual foi) e não resisti simplesmente porque trata dos símbolos encontrados numa catedral medieval. E eu adoro simbologia!

De certa forma, esse livro me lembrou muito o livro sufi "A conferência dos pássaros", só que menos poético, já que não há uma história, uma narrativa, que sirva de alegoria para o Caminho. As explicações são bem mais diretas, as alegorias ficam a cargo dos símbolos utilizados no portal da catedral para cada "grau de sabedoria" e dos mitos e histórias que são mencionados conforme a conversa entre o autor e a figura do Mestre de Obras vai se desdobrando.

De forma geral, o que me incomoda nesse tipo de livro é a total ausência de figuras ou alegorias ou símbolos femininos, o que eu considero muito bizarro, visto que o ser humano (estou sendo totalmente genérica aqui de propósito) possui traços masculinos e femininos que precisam ser equilibrados e trabalhados, ninguém pode esquecer nenhum dos dois lados dessa balança. Podemos argumentar que alguns dos símbolos apresentados tem conexão com o feminino, sim, mas a jornada em si parece ser exclusivamente masculina, no sentido em que parece ter sido pensada unicamente para um homem estereotipado, e um homem sem família.

Não deixa de ser bonito e informativo. O trabalho com símbolos é riquíssimo e cheio de ensinamentos valiosos, mas penso que para sermos mais completos precisamos ir além do que é apresentado aqui. Isso é uma birra pessoal minha com caminhos onde só existe um deus e ele é visto como uma figura masculina, sempre me incomodou.

Mas certamente vale a leitura. Christian Jacq sempre nos traz textos deliciosos de ler.

Nota 9.

Batman: O Cavaleiro das Trevas - Edição Definitiva




SPOILER FREE

Mais um livro para o tema de fevereiro do Desafio Literário, que, lembrando, é um livro que tenha sido um marco no seu gênero. E aí, estava eu em casa durante o Carnaval, olhando a estante de Graphic Novels, procurando uma para ler e lembrei que "O Cavaleiro das Trevas" foi um marco, se não no gênero das Graphic Novels (o que acho que é), certamente na forma como o Batman foi retratado a partir da sua publicação.

Escrito pelo doidinho do Frank Miller, a edição definitiva da Panini (que tem mais de uma edição definitiva com capas diferentes, diga-se de passagem) vem com os dois volumes, ou melhor, as duas séries publicados com mais de 10 anos de distância uma da outra e um prefácio bacaninha do próprio autor. O problema, na minha opinião, está na diferença de qualidade entre esses dois volumes.

Enquanto o "Cavaleiro das Trevas" original é realmente sensacional e marcou toda uma geração de quadrinhos e de filmes de heróis, com uma qualidade gráfica excepcional e uma nova Robin maravilhosa, a segunda série morreu muito longe da praia. A diferença é tão brutal e gritante que é difícil aceitar que as duas histórias são do mesmo autor.

Para exemplificar o que eu quero dizer em termos de imagem:

A série original de 1986:

A versão feminina e maravilhosa de Robin!
Essa imagem é linda! Toda a composição é bonita!
Gente, o Coringa passando batom, tem coisa melhor do que isso?
Agora a segunda série publicada depois de 2000:
É tanta coisa complicada que nem sei por onde começar: a roupa da "gatinha"? A posição absolutamente bizarra e desnecessária? A escolha feia de cores e desenho?

Eu só acho que essa é a roupa mais feia da Mulher Maravilha que existe. Fora todo o resto.
Agora, em termos de enredo, a segunda série tem tantos problemas e escolhas ruins que eu nem sei por onde começar ou como abordar sem dar spoilers. A minha sensação é que o autor estava numa fase ruim e cheia de ódio de tudo e de todos e resolveu colocar tudo pra fora de qualquer jeito. E quando eu digo de qualquer jeito eu quero dizer que parece que o trabalho foi feito nas coxas, uma coisa mal feita mesmo. Não sei como deixaram isso ser publicado.

Como faz? Nota 9,5 para o Volume 1 e nota 2 para o Volume 2. A média não faz jus a nenhum dos trabalhos.

A dica é ler só o primeiro e deixa o segundo cair no esquecimento. Não perca o seu tempo.


sexta-feira, 3 de março de 2017

Dreamcatcher - O apanhador de sonhos

   It became their motto, and Jonesy couldn't for the life of him remember witch of them started saying it first. Payback's a bitch, that was his. Fuck me Freddy and half a dozen even more colorful obscenities originated with Beaver. Henry was the one who taught them to say What goes around comes around, it was the kind of Zen shit Henry liked, even when they were kids. SSDD though; what about SSDD? Whose brainstorm had that been?
   Didn't matter. What mattered was that they believed the first half of it when they were a quartet and all of it when they were five and then the second half of it when they were a quartet again.
   When it was just the four of them again, the days got darker. There were more fuck-me-Freddy days. They knew it, but not why. They knew they were caught, but not exactly how. And all this long before the lights in the sky. Before McCarthy and Becky Shue.
   SSDD: Sometimes it's just what you say. And sometimes you believe in nothing but darkness. And then how do you go along?



 SPOILER FREE

Para variar estou atrasada nas resenhas... esse livro foi do tema do Desafio Literário de Fevereiro, onde a ideia era ler um marco de um gênero. Como eu já havia mencionado no meu planejamento de leituras do ano, resolvi ler qualquer coisa do Stephen King porque ele em si é um marco do gênero de terror.

Por uma razão de: achei esse primeiro entre os livros dele no meu Kindle (o que vou considerar como um quase sorteio, uma aleatoridade que está prevista no Desafio desse ano e que em teoria vale mais pontos, mas quem está contando? eu só conto livros) resolvi ler Dreamcatcher - O apanhador de sonhos na edição brasileira.

Apesar de um amigo meu ter comentado que esse volume não era o melhor do Stephen King (o que é verdade, ele não está no mesmo nível de um "Iluminado"), eu gostei muito do livro. Com um quê de ficção científica com direito a invasores alienígenas, Dreamcatcher não é uma história típica do Stephen, mas não é menos divertido por conta disso, até porque mesmo nesse caso o autor não conseguiu escapar completamente do seu gênero e do seu gosto pelo inexplicável que pode ser espiritual.

De quebra, um dos personagens importantes da história é especial! O que achei uma evolução nos livros de King (ainda não tinha encontrado personagens assim nos livros que li dele, então desculpem se deixei algum exemplo de fora). E esse fato não reduz em nada a quantidade de palavrões no texto, fiquem avisados.

Se Dreamcatcher tem um defeito é ser um tanto quanto longo, aproximadamente 900 páginas, o que deixam algumas passagens um pouco longas demais, apesar de que a mudança de ponto de vista da narrativa entre os diversos personagens suavize muito a sensação (e é um ponto positivo). Mas mesmo assim a leitura fica por vezes cansativa. Além, claro, de demorar para terminar. Não é a toa que a resenha acabou saindo no mês seguinte, mesmo não atrasando tanto assim para sair (quase uma semana).

Somando prós e contras, nota 9!

The Illustrious Jade Egg



SPOILER FREE

Esse é um livro tão curtinho que é quase um folheto sobre o uso do Jade Egg, mas extremamente informativo e tranquilo de ler. Imagine um guia rápido com as informações mais importantes que você precisa manter em mãos, é isso.

Para os curiosos (todos, imagino), o Jade Egg é uma prática milenar oriental ligada ao Taoísmo, que consiste no uso de uma gema feita de Jade no formato de um ovo (muito óbvia essa parte) para exercícios e meditações femininas para a saúde do sistema reprodutor feminino. Vale ressaltar que a autora, Saida, foi muito cuidadosa na linguagem que ela utiliza, de forma que o texto é amigável aos LGBTs, o que me surpreendeu positivamente, pois já cansei de ler textos de linhagens espirituais que poderiam não ser preconceituosas, mas que são até o último fio de cabelo.

Eu curti tanto o livro/folheto que fui catar mais livros escritos pela autora e já estou lendo outro, bem mais abrangente no assunto, que consegui encontrar na Amazon.

Nota 10

Leitores interessados no assunto, favor tratar inbox comigo, pois tenho indicações de contatos para esse trabalho no Brasil.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Poemas

As três palavras mais estranhas


Quando pronuncio a palavra Futuro,
a primeira sílaba já se perde no passado.

Quando pronuncio a palavra Silêncio,
suprimo-o.

Quando pronuncio a palavra Nada,
crio algo que não cabe em nenhum não ser.


SPOILER FREE

Depois de devorar o meu primeiro livro de Wislawa Szymborska eu juro que tentei me controlar para o segundo durar mais, mas não deu. A poetisa polonesa é tão maravilhosa que não dá para ler um poema só, e quando vi o livro já tinha acabado.

Entre as duas seleções de poemas confesso que gostei mais da primeira, mas o fato dela ser maior pode ter uma alta correlação com isso. Afinal, quanto mais poemas, maior a quantidade de marcadores de poemas de que gostei.

Wislawa é uma poetisa extremamente moderna, no sentido de que foge dos temas tradicionais da poesia e incorpora elementos da vida contemporânea de forma muito original e até mesmo inusitada. Como uma polonesa que viveu durante a segunda guerra mundial, as problemáticas da violência e especificamente das ocorridas nessa época, o que inclui a questão do racismo/xenofobia, surgem com frequência em sua poesia, o que gera algumas obras um tanto quanto pesadas ou sombrias. Mas extremamente necessárias, e por que não dizer, importantes nos dias de Trump.

Como acabaram as suas obras traduzidas para o português, agora estou apelando para as lançadas em inglês. Virei fã.

Nota 10.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Ariel

Kindness

Kindness glides about my house.
Dame Kindness, she is so nice!
The blue and red jewels of her ring smoke
In the windows, the mirrors
Are filling with smiles.

What is so real as the cry of a child?
A rabbit's cry may be wilder
But it has no soul.
Sugar can cure everything, so Kindness says.
Sugar is a necessary fluid,

Its crystals a little poultice.
A kindness, kindness
Sweetly picking up pieces!
My Japanese silks, desperate butterflies,
May be pinned any minute, anaesthetized.

And here you come, with a cup of tea
Wreathed in steam.
The blood jet is poetry,
There is no stopping it.
You hand me two children, two roses.


SPOILER FREE


Nesse último final de semana terminei vários livros de poesia que fui lendo no esquema de uma poesia por dia (mais nos finais de semana, claro). Depois de Ondjaki terminei meu primeiro (e provavelmente último) livro da poeta americana Sylvia Plath.

"Ariel" foi publicado postumamente ao suicídio da autora e é um dos marcos da sua obra relativamente pequena, além de ser um marco da poesia moderna norte-americana. Como é de se suspeitar, Sylvia sofria de depressão crônica e há documentação de pelo menos mais uma tentativa de suicídio dela quando mais nova, e isso se reflete fortemente na sua obra.

O seu estilo, que é extremamente pessoal e autobiográfico (ou assim é classificado), é marcado pela depressão e pelas visitas constantes a médicos e clínicas psiquiátricas, o que torna o texto extremamente pesado e com uma quantidade de termos médicos um tanto quanto incomum na poesia. Sua obra foi muito utilizada para tratar também de abusos à mulher, e muitos fizeram uso do que ela escreveu para acusar o seu marido de violência doméstica. A questão da veracidade disso não me incomoda, visto que ninguém conseguiu provar nada e que não necessariamente o que está na arte fazia parte de forma literal na vida do artista. Acho a questão dos problemas psiquiátricos muito mais relevante nesse caso.

Independentemente disso, a poesia de Sylvia é daquelas que saem rasgando tudo, com um peso que eu não esperava e que, na verdade, não me agradou. Entendo quem curta, a qualidade do texto mesclado com o inédito do tema e, de certa forma, do formato, realmente a marcam como uma autora singular e importante. Mas definitivamente não é pra mim.

Nota 5.